Menu
Tomorrows-Global-Business_Brazil_Banner_1524x200_012417

What's Next for Brazil?

Tomorrow’s Global Business, our ongoing series with the Financial Times, headed to Brazil for our recent thought leadership forum, Powering Brazil’s Future Growth, held in São Paulo.

The Finance Minister of Brazil and senior executives from Petrobras, BTG Pactual, Braskem, and Morgan Stanley joined us as featured speakers. They shared their insights on how new market-oriented policies are steering the economy toward sustainable growth and creating opportunities for international and local investors, though challenges remain. Our speakers identified several critical trends to follow in 2017 and beyond:

Top Trends to Follow

  1. Brazil appears to be at a turning point, with macroeconomic reforms underway to boost productivity, reduce bureaucracy, and create a more market-friendly economy.
  2. A number of significant microeconomic reforms—including labor, pension, tax, and infrastructure concession reforms—have also been proposed.
  3. Powered by these reforms, the Brazilian stock market has been on a strong upswing over the past year, capital markets transactions have resumed, and the M&A environment has improved. There is optimism among business leaders that this surge will keep up momentum through 2017, provided the reforms continue to progress.
  4. Transparency has increased significantly in post-Lava Jato Brazil. Together with the macroeconomic reforms, this is making the country more attractive to foreign investors, including private equity funds.
 
  1. Privatizations in key sectors such as airports, roads, water and sewage, energy, and infrastructure are creating new opportunities for foreign investors; increased flexibility in the rules covering oil and gas and other sectors is also providing entry points for more foreign participants.
  2. The government's lifting of the restriction on foreign ownership of land should likewise lead to a wave of investment by foreign companies looking to expand their operational borders.
  3. The added “Brazil cost” of doing business in the country and the difficulty of starting and winding down businesses in Brazil are still barriers for foreign companies. However, the reforms underway have the potential to address these issues.
  4. With an election coming up in late 2018, there is concern about whether the next government will continue Brazil's agenda of fiscal and productivity reforms, which could spur steady growth well into the next decade.

Market Outlook 2017



Roberta Bassegio, chair of our São Paulo office, discusses the outlook for increased foreign investment in Brazil.

Special Report: Alternative Finance

Our ongoing thought leadership series with the Financial Times includes a series of special reports published by the FT on issues critical to companies pursuing growth in the global marketplace. The latest report takes a closer look at recent developments in alternative finance.

Read FT’s special report


Spotlight on Growth in Brazil: Q&A with Roberta Bassegio

What is the critical “missing piece” needed for growth? Roberta Bassegio, chair of our São Paulo office, discusses the trends shaping investment opportunities in Brazil, as well as the top issues we will explore in our exclusive forum.

What trend or development will have the biggest impact on our international clients doing business in Brazil in the year ahead?

As the Brazilian economy starts to recover, opportunities continue to grow in areas such as M&A and restructurings, and we expect a small but discernible comeback for international financing and debt and capital markets. The government has announced key policy changes to boost foreign investment, removing certain restrictions on foreign capital in the health, aviation, and agribusiness sectors. It has also issued more flexible rules for the oil and gas industry, where Petrobras is no longer the exclusive operator for the pre-salt reserves and onerous local-content requirements were reduced by half for the next E&P bidding rounds. Revised concession rules for the energy and infrastructure sectors and the large privatization program in place are also expected to drive international interest in Brazil.

What development do you think will be the biggest driver of growth in Brazil? Is there one particular “missing piece” that would be the catalyst for growth?

With inflation under control (annual inflation is forecast at 4.5% for 2017) and interest rates on a downward trajectory (the SELIC rate is now at 12.25% and the Central Bank signals that it could get to 9.5% by the end of the year), it is now important that the government succeeds in approving unpopular reforms to rebalance its accounts and foster sustainable growth. Approving those measures would also reduce political turbulence and enable the government to move forward with its plans to resume its infrastructure investment program and privatization agenda which, in addition to the federally-controlled companies, now includes several state-controlled companies and a state-controlled bank.

Making those plans a reality still depends on resolving significant issues with the previous concessions, namely with airports and roads (where financial difficulties and construction delays resulted in claims to restore the economic and financial balance of the concessions), and the reevaluation of such contracts could set the regulatory precedent needed to give comfort to future investments in the area. When it comes to attracting foreign capital into certain of the energy and infrastructure sectors, a key challenge for the government is to find solutions to address the currency exchange rate risk that arises from foreign currency investments (whether capital or debt) where the investment’s revenue is generated in reais.

How would you describe our firm’s practice in Brazil and the services our lawyers in São Paulo offer clients?

From our São Paulo office, we advise both local and international clients on the foreign law aspects of a variety of cross-border matters. Following the trends arising from political and economic developments, over the past year we have been active on M&A transactions, debt restructurings, and compliance and investigations work. Many of these transactions and representations involve other Paul Hastings teams in various offices around the globe – lawyers from our D.C. office, for instance, represented Brazilian company Braskem in the largest FCPA case in history, and our arbitration, M&A, capital markets, and energy teams in New York, Houston, and elsewhere regularly assist Brazilian investors and financial institutions abroad.

We are also involved in local project finance matters in the energy and infrastructure sectors, as well as with other structured finance matters, and debt and capital markets. Of particular note, we represented the borrower and its Brazilian and U.S. sponsors on OPIC’s significant loan to Açu Petróleo, one of the only very long-term, U.S.dollar-denominated infrastructure loans consummated over the past year. We expect to see more opportunities in these areas as the country rebounds.

How can Paul Hastings help clients address the current challenges they face in Brazil?

With over 1,100 lawyers in 21 offices around the globe to draw upon, Paul Hastings and our São Paulo office are poised to help our clients achieve their aims. We bring to bear top-tier, integrated, teams covering virtually all aspects of the transactional, disputes, and regulatory/investigative realms. Our Latin America practice includes more than 30 lawyers dedicated to Brazil and the region. Many of them are native or fluent Portuguese transactors. These resources position us to help our clients with their critical legal and business needs across Latin America, and in Brazil in particular.


Quais as expectativas para o Brasil?

Tomorrow’s Global Business, nossa série atual com o Financial Times, foi ao Brasil para o nosso recente fórum de liderança “Impulsionando o Crescimento Futuro do Brasil” realizado em São Paulo.

O Ministro da Fazenda do Brasil e altos executivos da Petrobras, BTG Pactual, Braskem e Morgan Stanley se juntaram a nós como palestrantes. Eles compartilharam suas visões sobre como as novas políticas voltadas para o mercado orientam a economia rumo ao crescimento sustentável e criam oportunidades para os investidores internacionais e locais, em que pese desafios ainda permaneçam. Nossos palestrantes identificaram as principais tendências para 2017 e além:

Principais Tendências

  1. O Brasil parece estar em um momento decisivo, com reformas macroeconômicas em andamento para aumentar a produtividade, reduzir a burocracia e criar uma economia mais favorável ao mercado.
  2. Uma série de reformas microeconômicas significativas - incluindo reformas trabalhistas, previdenciárias, fiscais e de concessões de infraestrutura - também foram propostas.
  3. Impulsionado por essas reformas, o mercado de capitais brasileiro tem apresentado forte crescimento ao longo do ano passado, foram retomadas as transações nos mercados de ações e dívidas e o ambiente de fusões e aquisições melhorou. Há otimismo entre os líderes empresariais de que esse aumento continuará ao longo de 2017, desde que as reformas continuem a progredir.
  4. A transparência aumentou significativamente no Brasil pós-Lava Jato. Juntamente com as reformas macroeconômicas, isso está tornando o país mais atraente para investidores estrangeiros, incluindo fundos de private equity.
 
  1. As privatizações em setores-chave como aeroportos, estradas, água e esgoto, energia e infraestrutura estão criando novas oportunidades para investidores estrangeiros. Uma maior flexibilidade nas regras da indústria de petróleo e gás e outros setores também tem proporcionado oportunidades de entrada para mais participantes estrangeiros.
  2. O fim da restrição à aquisição de propriedade de terras por estrangeiros anunciado pelo governo também deve levar a uma onda de investimento por empresas estrangeiras que procuram expandir suas fronteiras operacionais.
  3. O custo-Brasil para fazer negócios no país e a dificuldade de iniciar e liquidar empreendimentos no Brasil ainda são barreiras para empresas estrangeiras. No entanto, as reformas em curso têm potencial para endereçar estas questões.
  4. Com eleições que se aproximam no final de 2018, há preocupação sobre se o próximo governo continuará a agenda de reformas fiscais e de produtividade do Brasil, o que poderia estimular o crescimento constante até a próxima década.

Market Outlook 2017



Roberta Bassegio, Chair do nosso escritório de São Paulo, discute as perspectivas para o crescimento do investimento estrangeiro no Brasil.

Relatório Especial: Alternativas de financiamento

Nossa atual série de liderança de pensamento com o Financial Times inclui diversos relatórios especiais publicados pelo FT sobre questões essenciais para empresas que buscam crescimento no mercado global. O último relatório analisa de perto os recentes desenvolvimentos em alternativas de financiamento.

Leia o Relatório Especial do FT


Foco em Crescimento no Brasil: Perguntas e Respostas com Roberta Bassegio

Qual é a “peça chave faltante” necessária para o crescimento? Roberta Bassegio, head do nosso escritório de São Paulo, discute as tendências e oportunidades de investimento no Brasil, bem como as principais questões que iremos explorar no nosso fórum exclusivo.

Quais tendências ou avanços terão o maior impacto para os nossos clientes que fazem negócios no Brasil ao longo do ano?

Com o início da recuperação da economia brasileira, oportunidades em áreas como M&A e reestruturações continuarão a crescer e esperamos um retorno ainda tímido, porém perceptível para financiamentos internacionais e mercados de capitais de dívida. Mudanças importantes já foram anunciadas a fim de impulsionar investimentos estrangeiros, removendo certas barreiras nos setores de saúde, aviação e agronegócio. Também foram flexibilizadas regras relacionadas à indústria de óleo e gás, na qual a Petrobras não mais possui exclusividade na operação das reservas do pré-sal e os requisitos de conteúdo local foram reduzidos pela metade para as próximas rodadas de licitações em exploração e produção. Regras reformuladas de concessões para os setores de energia e infraestrutura e o amplo programa de privatizações devem também direcionar interesse internacional para o Brasil.

Qual avanço você acha que será o maior guia para o crescimento do Brasil? Há alguma “peça faltante” em particular que seria um catalisador para o crescimento?

Com a inflação sob controle (previsão de inflação anual para 2017 é de 4,5%) e taxa de juros em uma trajetória descendente (a taxa SELIC está em 12.25% e o Banco Central sinaliza que poderia chegar a até 9,5% ao final do ano), é importante que o governo consiga aprovar medidas não populares para reequilibrar as contas públicas e incentivar o crescimento sustentável. Aprovar tais medidas também reduziria a turbulência política e possibilitaria ao governo seguir adiante com seus planos para retomar o programa de investimento em infraestrutura e a agenda de privatizações que, além das companhias controladas pela União, agora também incluirá uma série de companhias e bancos estaduais. Tornar tais planos realidade ainda depende de resolver problemas relativos às concessões anteriores, em especial aeroportos e rodovias (nos quais dificuldades financeiras e atrasos nas construções resultaram em pedidos para reestabelecimento de equilíbrio econômico-financeiro das concessões) e a reavaliação de tais contratos poderia proporcionar conforto para futuros investimentos na área. Tratando-se de atrair capital estrangeiro para certos setores de energia e infraestrutura, o desafio-chave para o Governo é encontrar soluções para endereçar o risco de câmbio monetário que se origina de investimentos em moeda estrangeira (quer seja de capital ou dívida) nos quais a receita dos investimentos é gerada em Reais.

Como você descreveria a atuação do nosso escritório no Brasil e os serviços que nossos advogados em São Paulo oferecem aos clientes?

Em nosso escritório em São Paulo, assessoramos tanto clientes locais como internacionais nos aspectos de direito estrangeiro em uma série de questões cross-border. Seguindo uma tendência originada de progressos políticos e econômicos, nos últimos anos estivemos envolvidos em transações de M&A, reestruturação de dívida, compliance e trabalhos investigativos. Muitas dessas transações envolvem outras equipes do Paul Hastings em diferentes escritórios – advogados do nosso escritório em Washington D.C., por exemplo, representaram a companhia brasileira Braskem no maior caso anticorrupção (FCPA) na história e nossas equipes de M&A, mercado de capitais e energia em NY, Houston e outros lugares regularmente assessoram investidores brasileiros e instituições financeiras no exterior.

Também estamos envolvidos em financiamento de projetos nos setores de energia e infraestrutura, bem como em estruturações financeiras e mercado de dívidas e capitais. Podemos destacar nossa representação do tomador e seus sócios brasileiros e americano no expressivo empréstimo da OPIC à Porto Açu Petróleo, um dos poucos empréstimos de longo prazo em dólares dos últimos anos. Esperamos ver mais oportunidades nessas áreas com a retomada do crescimento no país.

Como o Paul Hastings pode ajudar clientes a enfrentar os atuais desafios encarados no Brasil?

Com mais de 1100 advogados espalhados por 21 escritórios ao redor do globo, o Paul Hastings e o nosso escritório em São Paulo estão prontos para auxiliar nossos clientes a atingir seus objetivos. Contamos com equipes integradas e altamente capacitadas em praticamente todos os aspectos das áreas transacionais, contenciosa e investigações/regulatória. Nossa equipe focada em América Latina compreende mais de 30 advogados dedicados ao Brasil e à América Latina. Muitos são nativos ou fluentes em português. Esses recursos nos posicionam de forma estratégica para assessorar nossos clientes em suas principais necessidades jurídicas e de negócios.